(71) 9 9936-0226

(71) 9 9138-2288

(71) 9 9138-2288

contato@sinalbahia.com.br

Acesso Credenciado

Notícias

Carnaval 2022. Balanço da PRF aponta crescimento do número de acidentes e mortes nas estradas

O balanço oficial da Polícia Rodoviária Federal (PRF), divulgado na manhã desta quinta-feira (3), acusou 1.160 acidentes (sinistros) nas rodovias federais, com 106 mortos e 1.298 feridos em seis dias da Operação Carnaval 2022.

Iniciada na última sexta-feira (25/02) e finalizada às 23h59 desta quarta-feira (02/03) a operação, apontou crescimento no número de sinistros, mortes e feridos em relação ao ano de 2021, quando foram registradas 789 ocorrências com 77 mortes e 1.020 feridos. Novamente o fator humano contribuiu com mais de 90% das ocorrências. As ultrapassagens indevidas, a travessia de pedestres em locais inapropriados e o uso do álcool foram os grandes responsáveis pelos sinistros

De acordo com a PRF, 132.931 veículos e 165.319 pessoas, foram fiscalizados, 78.958 testes de bafômetro foram aplicados e 2.554 condutores autuados por dirigirem bêbados. Por realizarem ultrapassagens perigosas, 10.921 condutores foram autuados e outros 8.296 motoristas multados por não usarem o cinto de segurança.

Na Bahia, em relação ao mesmo período do ano anterior, a PRF registrou uma redução de 21% no número de acidentes, com apenas uma vítima fatal. Mesmo assim, ao todo, 6.569 condutores foram flagrados cometendo infrações diversas. Só por ultrapassagem indevida foram extraídos 1.507 autos de infração.

Durante as abordagens, foram realizados 5.337 testes com bafômetro, totalizando 85 condutores autuados por alcoolemia ao volante, ou recusa ao teste, 1 deles foi preso por embriaguez ao volante. O uso de celular (35), o não uso do cinto de segurança pelos ocupantes do veículo (425), ou da cadeirinha para o transporte de crianças (105), também renderam autuação aos condutores.

O Brasil está na quarta posição entre os países com mais mortes em acidentes de trânsito no mundo. Em 2020 uma pessoa morreu a cada 15 minutos. Para acabar com essa pandemia é necessário que além da União, dos Estados e Municípios, o condutor e o pedestre participem do esforço.

No trânsito, segurança é responsabilidade de todos.